Página 3 de 13 PrimeiroPrimeiro 12345 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 21 a 30 de 130

Tópico: Raúl Castro defende limite de 10 anos para mandato de cargos públicos

  1. #21
    Ex-Presidente do Brasil Avatar de ItsMeYoshi
    Data de Ingresso
    Jul 2009
    Posts
    1.201
    .
    bem, pessoalmente eu sou dessa raça meio fora de moda, que gosta de saber do que fala antes de falar

    deveria talvez seguir a regra de ouro de não alimentar trolls, mas infelizmente, não me aguento...talvez deva parar de participar de tantos fóruns, dá uma dó ler as coisas que leio...

    quem sabe um dia diderot levanta da tumba pra dar uma sorra em alguns com sua enciclopédia, hoje tão maltratada

    óbvio que vai ser wall text, que o assunto é complexo mesmo...

    enfim...vale lembrar apenas que as reformas cubanas não são em direção ao capitalismo

    muito pelo contrário, são um aprofundamento do sistema socialista cubano...ou seja, é um distanciamento do capitalismo

    quem se deu ao trabalho de ler o documento de verdade, os "lineamentos da política econômica e social do partido e da revolução" (disponível aqui), publicado pelo VI congresso do PCC, consegue entender um pouco melhor o que está passando

    basicamente, o documento elabora sobre os sérios problemas econômicos da ilha, e propõe soluções de "curto e longo prazo"

    as soluções de curto prazo, é pra resolver a balança de pagamento de cuba, cuja situação é deplorável desde o fim da URSS

    pra isso, propõe-se abertura maior ao capital estrangeiro, e busca de mais financiamento externo

    isso é visto como uma concessão, ou seja, um "mal necessário" e temporário

    nada a ver com o sistema chinês, que propõe o desenvolvimento capitalista integral através da superexploração de mão-de-obra, pra criar uma massa operária capaz de gerir os próximos passos da revolução

    o sistema chinês, desenvolvido com essas palavras exatas pelo deng xiaoping, vê o capitalismo como algo que precisa ser estimulado, pra passar depois à próxima etapa

    por isso o PC da China já colocou como meta chegar ao "capitalismo integral" em 40 anos - com todas as palavras

    Cuba, no entanto, não coloca o capitalismo como meta, e não acredita que seja uma "etapa necessária"

    é só comparar os documentos dos últimos congressos do PC chinês e cubano pra ver a diferença de mentalidade

    para Cuba, o investimento estrangeiro é meramente instrumental, de "curto prazo" nas palavras deles

    ou seja, Cuba não está se aproximando do modelo chinês, e nem quer fazer isso

    a grande novidades das reformas cubanas - e isso é animador - é a tão desejada ruptura com o modelo soviético-planificador

    aquele modelo que a URSS assumiu com a ascensão de stálin, lá por fim dos anos 20, e foi mantido quase inerte até Gorbatchev tentar, sem sucesso, reformá-lo nos anos 80

    esse modelo planificador-industrial soviético defendia a industralização massiva através da transferência de riqueza do campo pra cidade (através do instrumento de "requisição obrigatória de grãos"), e a hiperexploração do operário urbano, com salários muito abaixo da sua produção real

    enfim, deu certo nos primeiros 30 anos - movido pela economia de guerra soviética - e depois mostrou sua faceta contra-produtiva, ineficiente e desigual, que resultou por fim na decadência da URSS, incapaz de se renovar

    no entanto, estão completamente errados aqueles que acham que socialismo é sinônimo de "planificação industrialista", e capitalismo como sinônimo de qualquer forma de produção autônoma

    o modelo de industrialização pesada e militarista, não é nem nunca foi "socialista" - foi apenas a forma que Stálin encontrou pra consolidar seu poder, e acabou se espalhando pelo mundo comunista através do imperialismo soviético (não por acaso, o único país que não adotou o modelo foi a china, pois Mao havia, já em 1960, rompido com o projeto bolchevique operário e instaurado a "revolução camponesa")

    enfim, o modelo econômico soviético é uma história interessante, acho que vou contar [COLOR="#FF0000"](alerta mega wall text da história da humanidade)[/COLOR]

    durante a guerra civil (1918-22), havia predominado o "comunismo de guerra", dedicação total de todos os meios de produção para vencer o conflito

    os bolcheviques ganharam a guerra, mas o modelo foi um fracasso econômico

    em 1922 a recém-fundada URSS era uma enorme trincheira destroçada, dependente, famélica e moribunda

    começou, portanto, a grande disputa para consolidar um novo projeto econômico - uma disputa profundamenta ligada com a sucessão política de Lenin, que deixava a vida política em 1923, doente, e acabaria por morrer um ano depois

    basicamente, quem oferecesse a melhor solução econômica para o comunismo, algo que agradasse o partido e as massas, acabaria por abocanhar poder político o bastante para suceder Lenin

    e suceder Lenin não era algo pequeno - Lenin foi para a política aquilo que Napoleão foi para a a estratégia militar, ou Dante para a literatura. Insuperável. Inteligentíssimo, astuto, extremamente consciente das condições ao seu redor, humanista, inspirador, ao mesmo tempo pragmático e convicto, brutal e no entanto, poético. Um homem que em 5 anos ergueu aquilo que era uma pequena facção isolada do Partido Operário Social-Democrata Russo, o bolchevismo, e a transformou na mais influente vertente política do seu século.

    enfim, começou então um grandioso jogo teórico-político pela hegemonia na primeira nação comunista do mundo, nessa época celebrada pelos quatro cantos do globo como o grande bastião da liberdade e de um futuro melhor

    o ano era 1923

    na mesa, quatro jogadores - Trotsky, Kamenev, Zinoviev e Bukharin. Quatro grandes pensadores do bolchevismo, que haviam, junto com Lenin, superado o Tzar, a social-democracia de Kerensky, a guerra civil, o bloqueio das potências ocidentais

    a URSS era, nesse momento, das nações a mais faminta por pão, e a mais profícua nas idéias. Panfletos, propostas, discursos acalorados e mobilizações fervorosas. O povo queria casa, queria comida, queriam a reconstrução do país devastado. Queriam, enfim, que se cumprisse a famosa promessa bolchevique de 1917 - paz, pão e terra.

    Trotsky, Kamenev Zinoviev e Bukharin disputavam, assim, a melhor forma de atingir o socialismo nesse país rural, atrasado e destruído

    vale lembrar que os quatro eram intelectuais de grande porte, cujos textos são até hoje (pra quem se interessa por história sem preconceitos bobos) obrigatórios

    formou-se assim o Politburo (oficina política do comitê central do PCUS), que se tornou o principal órgão político do país

    quatro membros - os 3 "líderes intelectuais" da revolução, Trotsky, Zinoviev e Kamenev, mais Stálin, um dos generais do círculo próximo de Lenin

    Bukharin, muito jovem, foi deixado de lado e relegado a ser editor do jornal do partido, o Pravda

    Stalin, também deixado de lado, ficou com um cargo administrativo de pouca importância- a Secretaria-Geral do partido, responsável pelos trâmites burocráticos gerais (daí o nome "secretaria")

    Stalin era mal-visto pq não possuía a capacidade teórica de disputar projetos com seus colegas - era um camponês meio bruto, ao lado de intelectuais consagrados e sofisticados

    enfim, stalin - que Lenin chamou, em seu testamento, de "bruto, caprichoso e intolerante", tinha pouco poder, e foi colocado no Politburo pra não incomodar

    Trotsky, Kamenev e Zinoviev dividiram entre si os cargos consagrados de condução da política, os cargos de organização econômica, coordenação do komintern, etc.

    o "grande jogo" começou, então, com Kamenev e Zinoviev formando uma aliança para isolar a "esquerda radical", liderada e representada por Trotsky

    Trotsky propunha um plano econômico de industrialização acelerada, de transferência de capital do campo para a cidade, de urbanização e "proletarização" rápida. Afinal, Trotsky dizia, não era possível um governo operário num país de camponeses. O camponês era, para ele, um classe anti-revolucionária, com demandas "pequeno-burguesas".

    já Kamenev e Zinoviev, aliados próximos e grandes amigos, propuseram o NEP, que era basicamente um programa de "dekulaktização" coordenada, junto com um planejamento de industrialização de longo prazo. Os "Kulaks" eram os grandes propietários de terra russos (os não-aristocráticos, pois a nobreza já havia sido desapropriada anos antes). "dekulaktizar", portanto, era distribuir terra, promover o desenvolvimento dos pequenos produtores agrários, ao mesmo tempo que se centralizava a industrialização urbana.

    Kamenev, Zinovie, juntos, isolaram Trotsky e implementaram o NEP, em 1924

    Stalin se manteve distante da disputa, tentando assumir uma posição de "mediador" do conflito

    o isolamento de Trotsky e da "esquerda radical" logo resultou na expulsão deste do Politburo, ficando apenas como Presidente do Komintern. Para seu lugar no Politburo, veio Bukharin, um moderado pró-NEP.

    o "triumvirato" (ou "troika", como ficou conhecido) de Kamenev, Zinoviev e Stalin durou pouco.

    Depois de expulsar Trotsky, a troika rachou. Bukharin buscou em Stalin, que havia permanecido como "mediador", um aliado para se contrapor à hegemonia Kamenev-Zinoviev, e ao "radicalismo" de Trotsky (expurgado, mas ainda popular e poderoso).

    Bukharin e Stalin conseguiram isolar Kamenev-Zinoviev, que tiveram sua influência restrita à base do partido em Leningrado, e foram assim expulsos da liderança do partido no congresso do PCUS de 1926.

    Entre 1926 e 1928, Bukharin reinou, então, hegemônico. Era a grande liderança intelectual, política e ideológica do partido.

    Foi nessa época que Bukharin desenvolveu a idéia, adotada também por Stalin, de "socialismo numa só nação", conceito que ele desenvolveu em contraposição à "revolução internacional" de Trotsky, e consolidar ainda mais seu projeto próprio.

    Stalin, colega de comando de Bukharin, continuava popular, mas era visto como Bukharin como alguém incapaz de atingir o poder, pois não possuía cargos de importância, nem nenhum apoio da "velha-guarda" bolchevique.

    Enfim, eis que a história tem lá suas piadas perversas. Stalin era de uma esperteza política sem igual.

    Desde 1923, quando assumiu a Secretaria-Geral do Partido, Stalin já havia percebido que o "perfil" do membro do partido comunista havia mudado. Quem entrava no partido não era mais a juventude ideológica, os rebeldes. Quando o Partido finalmente assumiu o poder após a guerra civil de 1922, houve um enorme influxo de novos membros atraídos pelo poder, ansiosos por cargos e influência.

    Stalin, Secretário-Geral, era responsável pelas indicações de cargos, aceitação de novos membros, e distribuição de benesses em geral. Rapidamente, o cargo desprezado pelos colegas intelectuais foi se transformando numa máquina de centralização política sem igual. Toda uma nova geração de "bolcheviques" chegava ao poder graças aos favores, e proximidade, de Stalin.

    Enquanto Trotsky, Kamenev, Zinoviev e Bukharin se desgastavam lutando por seus projetos político-econômicos, Stálin fortalecia cuidadosamente sua base de poder, astuto e silencioso.

    Stálin, portanto, deu importância ao cargo de Secretário-Geral, e logo possuía uma influência no partido que nenhum de seus rivais podia contrapor.

    Stalin rompeu, então, com Bukharin. Para se contrapor ao principal projeto do rival, Stálin aproveitou a crise de grãos de 1928 e resgatou a idéia de Trotsky, de urbanização e industrialização acelerada.

    Era um projeto "à esquerda", visto como alternativa viável ao NEP "à direita", que não extinguia propriedade privada e apoiava pequenas propriedades e pequenos camponeses.

    Num país em crise de alimentos, a mudança de projeto econômico foi bem-vista. Trótsky já havia sido expurgado e estava no exílio, não era perigo. Incapaz de desenvolver um projeto próprio, Stálin reavivou então o projeto trotskista e, usando seu controle da máquina partidária, desbancou Bukharin para assumir o poder com hegemonia quase total.

    Entre 1928 e 1935, a consolidação do poder de Stalin se deu por completa, até que seus antigos rivais - Kamenev, Zinoviev e Bukharin - acabaram por ser os primeiros fuzilados nos famosos "expurgos de Moscou" de 35/36, quando toda a velha-guarda bolchevique foi eliminada, abrindo espaço pra nova burocracia partidária, stalinista e obediente.

    [COLOR="#FF0000"](fim do hiper duper wall text capítulo I da história completa da humanidade com detalhes sórdidos by Yoshi)[/COLOR]

    enfim, pq essa história toda?

    só pra deixar claro que a estrutura econômica soviético estava ligada ao projeto stalinista de poder, e não à "natureza do comunismo"

    Stálin assumiu o poder graças à criação de uma burocracia partidária cega e obediente, interesseira e sem escrúpulos.

    O poder dessa burocracia estava indissoluvelmente ligado ao sistema econômico totalmente centralizado e estatal - a burocracia controlava as fábricas, as fazendas, o dinheiro por consequência - e conseguia assim hegemonia total.

    depois dos 25 anos de stalin, todos os líderes soviéticos eram provenientes dessa burocracia- haviam nascido nesse Partido corrupto e autoritário.

    eram filhos da "nomenklatura"

    os bolcheviques "originais", esses foram eliminados por stálin - que não tolerava a possibilidade de ser confrontado

    ou seja, a criação de uma burocracia privilegiada, a nomenklatura soviética, não é "consequência infeliz mas inescapável do socialismo"

    já cansei de ouvir essa bobagem, "que o comunismo é muito bonito na idéias mas na prática o socialismo real não funciona"

    não existe socialismo "ideal" e socialismo real

    existe apenas socialismo, e stalinismo

    o que predominou na URSS - infelizmente - foi o stalinismo

    e a herança stalinista - a burocracia privilegiada, a economia industrial centralizada, a ineficiência completa - continua até hoje, por exemplo, em Cuba

    Cuba ainda não havia se libertado dessa pesadíssima herança da URSS dos anos 60-70

    da mesma forma, comunismo pode (e deve) existir junto com uma transação monetária de bens

    dinheiro existe no comunismo, e a troca de bens por dinheiro também existe

    o dinheiro não é invenção capitalista, e o dinheiro não é a razão da existência do capitalismo

    o elemento fundamental do capitalismo, é quando "a própria mão-de-obra se transforma numa mercadoria", de acordo com o famoso historiador Maurice Dobbs

    ou, pra pegar o próprio Marx, "capitalismo é o sistema no qual o ser humano se submete a uma força estranha, que passa a reger o mundo pela sua vontade absoluta e cega. Esse força chama-se capital."

    conclusão, socialismo e comunismo não tem nada a ver com controle estatal, fim de mercado de produtos, nada disso

    capitalismo tem a ver com mercadoria, só isso

    quem leu Marx sabe bem a diferença de produto e mercadoria (que marx pegou de Adam Smith e Ricardo)

    mercadoria é o conceito fundamental

    porque o capitalismo é quando o ser humano perde controle do seu próprio trabalho, e do seu próprio corpo - pois sua força de trabalho se transforma também em mercadoria

    enfim, agora, finalmente, começam reformas que estão levando Cuba pra uma economia socialista

    vejam no documento Cubano, o que são reformas:

    -cooperativas urbanas
    -incentivo ao pequeno produtor rural
    -licenciamento do trabalhador autônomo urbano (o mecânico, o pintor, etc, etc)

    ainda mais - olhem o item 14, do capítulo 1 (Modelo de Gestión Economica): "Las finanzas internas de la empresa no podrán ser intervenidas por instancias ajenas a las mismas".

    ou seja, não pode ter capital de fora da empresa

    aonde está o capitalista? aonde está o cara que coloca grana e depois vive do trabalho dos outros?

    não existe. O que as reformas fazem é liberar a organização cooperativa, na qual os trabalhadores são donos dos próprios meios de trabalho, vivem do que produzem, e não são mão-de-obra pra outros

    através de incentivo às cooperativas nas cidades, liberação da pequena propriedade privada, licenciamento do trabalhador autônomo, está criando-se um sistema no qual a população cria valor com seu próprio trabalho, sem estar submetido ao "dono do capital", nem a nenhuma outra "força estranha"

    afinal de contas, as fábricas soviéticas exploravam o trabalhador tanto quanto as americanas, todo mundo sabe - o stalinismo era o "capitalismo de estado", que explorava o trabalhador industrial pra sustentar uma minoria privilgiada

    o que Cuba está fazendo é cortando o ciclo de exploração pela raiz - o trabalhador não vai ter nenhuma "força estranha" controlando seu trabalho. Nem banqueiro, nem Partido.

    é autonomia sobre sua própria força de trabalho, que vai desconstruir a submissão à mercadoria, e permitir ao ser humano retomar o controle do seu próprio corpo

    é socialismo

    é isso que o VI Congresso Cubano chamou de "soluções de desenvolvimento sustentáveis de longo prazo", pra acabar com a ineficiência e criar valor na sociedade

    a autonomia foi a solução que eles encontraram pra estimular a produção e resolver os problemas econômicos nos próximos 10, 20 anos

    não tem nada de capitalista, sorry.

    as "soluções de curto prazo", que é abrir pro capital estrangeiro pra melhorar a balança de pagamentos, isso é só pra acumular capital pra financiar novas formas de re-estruturação econômica

    finalmente, o limite de mandatos em 10 anos, isso é pra diminuir a hegemonia política da burocracia estatal, herança do stalinismo

    ou seja, os cubanos - que são mto mais inteligentes que todos nós aqui junto, convenhamos - estão dando um passo pra aprofundar o socialismo, e estão acumulando dinheiro estrangeiro pra financiar um segundo estágio

    e ainda enganaram os bobinhos, que acham que eles estão "abrindo o país pro capitalismo"

    vai dizer que não é genial?

    e viva la revolución
    Peace at Home
    PEACE in the World

  2. #22
    Ex-Presidente do Brasil Avatar de Ayato
    Data de Ingresso
    Feb 2010
    Localização
    Doidimais.com
    Posts
    2.558
    Porra, sem ofensa, mas só eu pulo os walltexts do Yoshi?

    Tl;dr
    Sim, eu parei de jogar de vez. Mas continuarei aqui no forum e, as vezes, no IRC.



  3. #23
    Ex-Presidente do Brasil Avatar de junecaz
    Data de Ingresso
    May 2009
    Localização
    Santa Maria/RS
    Posts
    2.849

    Uma parceria entre Brasil e Cuba pretende transformar o Porto de Mariel, a 40 km de Havana, em um dos maiores da América Latina. A presidente Dilma Rousseff visita nesta terça-feira o local, que deve se tornar o principal símbolo do recente processo de abertura econômica da ilha. Serão investidos, em quatro anos, US$ 957 milhões, dos quais US$ 682 milhões (71%) financiados pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Trata-se da maior obra em Cuba desde que, em 1959, Fidel Castro liderou a Revolução que o levou ao poder e instaurou o socialismo no país.
    Três décadas atrás, o Porto de Mariel foi o local de partida de cerca de 125 mil cubanos que deixaram a ilha caribenha rumo aos Estados Unidos em 1980 atrás de melhores condições de vida e acabou tornando-se um símbolo da derrocada da economia cubana. O êxodo precedeu o declínio do então maior parceiro econômico de Cuba, a União Soviética, e teve o dedo do presidente Fidel Castro, que, diante de uma onda de invasões da embaixada peruana por cubanos desejosos de emigrar, declarou que todos que quisessem abandonar a pátria poderiam fazê-lo.
    A migração em massa dos "marielitos", como ficaram conhecidos, prejudicou as ambições de reeleição do então presidente americano Jimmy Carter quando se descobriu que parte do grupo era integrada por presos e doentes mentais cubanos.
    Zona Especial de Desenvolvimento
    A viagem de Dilma a Cuba ocorre uma semana após a liberação da última parcela do empréstimo à obra, executada pela empresa brasileira Odebrecht, iniciada em 2010 e prevista para terminar em 2014.
    Em visita ao porto em setembro, o presidente Raúl Castro, que sucedeu o irmão Fidel em 2008, afirmou: "Esta obra tem uma importância econômica extraordinária, não só para o desenvolvimento presente do país, mas também para o futuro". O empreendimento inclui uma "zona especial de desenvolvimento" de 400 km², que abrigará indústrias voltadas à exportação e ao mercado cubano. Segundo diplomatas brasileiros, além de ajudar Cuba em sua missão de "atualizar" o socialismo e diversificar suas fontes de receitas, a ampliação do porto abrirá oportunidades de negócios para empresas brasileiras interessadas em se instalar ou expandir as operações na América Central.
    E caso os Estados Unidos suspendam seu embargo econômico à ilha, as empresas instaladas no porto terão acesso privilegiado ao maior mercado global, uma vez que Mariel está a apenas 160 km do Estado americano da Flórida.
    Fábrica de vidro
    Por ora, uma companhia brasileira - a fabricante de vidro Fanavid - já se prepara para abrir uma unidade no local, em associação com o governo cubano. Cerca de 80% da produção da fábrica deverá se destinar à exportação. As obras em Mariel incluem ainda ações para facilitar o acesso de produtos ao porto, como a reforma de mais de 30 km de estradas e a construção de 18 km de rodovias, 63 km de estrutura para ferrovias e quase 13 km de vias ferroviárias.
    Com a dragagem do porto, que permitirá seu uso por navios de grande calado, ele poderá movimentar 1 milhão de contêineres por ano. Comparado com portos brasileiros, Mariel só terá capacidade inferior ao de Santos, que em 2011 movimentou 2,7 milhões de contêineres. Também serão construídos 700 m de cais para o terminal de contêineres, um centro de carga, pátios, redes de abastecimento de água e tratamento de resíduos, além de toda infraestrutura para o fornecimento de energia elétrica. Atualmente 2,7 mil trabalhadores atuam nas obras; após a conclusão do porto, espera-se que ele gere 3 mil empregos diretos e 5 mil indiretos.
    Notoriedade histórica
    Com a reabertura de Mariel, o porto deve recuperar a notoriedade que experimentou há décadas, mesmo antes do êxodo dos "marielitos" rumo à Flórida, em 1980.
    Em 1962, auge da Guerra Fria e no caso que ficou conhecido como a Crise dos Mísseis de Cuba, aviões americanos fotografaram sete barcos lança-mísseis Komar, de fabricação soviética, ancorados no porto. A descoberta gerou temores nos Estados Unidos de que os soviéticos estivessem se preparando para um ataque nuclear às terras americanas, suspeita reforçada após a divulgação de imagens que mostravam cerca de 40 silos para abrigar armas atômicas em Cuba.
    Em discurso, o presidente americano John F. Kennedy ameaçou atacar Cuba caso o país se tornasse uma base militar soviética. Uma semana depois, o Senado americano aprovou o uso da força para garantir a segurança dos Estados Unidos diante da ameaça das instalações russas.
    Já Nikita Kruschev, à época o primeiro-ministro soviético, disse que os mísseis visavam apenas defender Cuba de eventuais invasões. A precaução se justificava por acontecimento do ano anterior, quando cubanos residentes na Flórida patrocinados pelos Estados Unidos fracassaram após tentar invadir Cuba pela baía dos Porcos. Os temores de que a Crise dos Mísseis poderia desencadear uma guerra nuclear, porém, jamais se concretizaram.
    Fonte

    Citação Postado originalmente por Christopher Dawson
    As soon as men decide that all means are permitted to fight an evil, then their good becomes indistinguishable from the evil that they set out to destroy.

  4. #24
    Ex-Presidente do Brasil Avatar de Marcellus Bracara
    Data de Ingresso
    Apr 2010
    Posts
    5.061
    É... enfim, essas atualizações espero que sejam pra melhorar o nível de vida da população, e não apenas pra fortalecer a "revolução".

  5. #25
    E eu li todo o Wall Text do Yoshi. HUAUHAUHAHUAHU

    Mto bom.

  6. #26
    Senior Member Avatar de vinicius santiago
    Data de Ingresso
    May 2009
    Localização
    São Paulo
    Posts
    8.757
    Braga, já que você fez o papel de 'reacinha' no fórum, te pergunto: você vê sentido no que o yoshi falou sobre as reformas?

    Yoshi: Sem implantar a ideologia desde pequeno e sem contrariedades à ela (ou seja, só a influencia de idéias socialistas desde pequeno, sem idéias capitalistas), você acha que um cidadão ou um grupo de cidadão se organizaria sem um estado central? Afinal, socialismo é 'etapa intermediária' para um estágio social sem estado/comunista/pós-anarquista (ao menos me foi repetido umas trocentas vezes isso).

    Porque te pergunto isso: algumas expressões que já ouvi mto dos troskos e me assustam muito. O povo do pstu fala de 'acirramento da luta de classes' não de modo figurativo, mas de modo prático. É deixar o cara quase morrer de fome pra que ele crie consciência de que é explorado. É inflar a massa contra o governo para que o governo seja destituído. E TUDO disso aí passa pelo partido. A idéia de 'ditatura do proletariado', ao menos nas práticas que eu vi até hj dos troskistas brasileiros, passam por soluções que criam uma ditadura do partido e são todas extremamente antidemocráticas.

    TODOS: Não quer? Não lê. Postar pra reclamar de walltext não precisa não... não contribui para o debate. (Trollar vale, desde que seja com conteúdo.) Já basta ver os debates 'profundos' que estão tendo no DJI...

    Ayato: Não foi pra vc essa não. Mas eu prevejo gente reclamando se o tópico 'render'.
    Novos jogadores: Meu referrer no vNations Venha ajudar na luta.
    Minha dica pra você: Largue o eRepublik, fique no fórum e vá ler uns livros.
    P.S.: Ainda na eterna luta contra as matronas do politicamente correto.

  7. #27
    Senior Member Avatar de Victor Barroso de Araujo
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Niterói-Rj
    Posts
    810
    @Yoshi:
    De acordo com o post do Junecaz, não cai por terra o argumento te aprofundamento to socialismo? Ou esta previsto na entrada de capital estrangeiro empresas privadas de outras paises em "zonas especial de desenvolvimento"

    E alguém sabe qual a politica americana com relação ao embargo? Pq até onde eu sabia, empresas que comercializassem com Cuba, tbm seriam embargados pelo EUA. Procede isso?

    E o walltext foi mt informativo, pra galera preguiçosa que esta reclamando...

  8. #28
    Senior Member Avatar de Plinio
    Data de Ingresso
    Mar 2011
    Posts
    420
    Sinto muito Yoshi mas isso é ir pro capitalismo sim, estao liberalizando a economia e quando isso começa nao tem comunista velho barbudo e decadente que segure, o povo nao apoia mais a revoluçao. Logicamente que eles nao sao capitalistas AINDA e claro que a 3ª idade do partido comunista nao quer se tornar capitalista e nao esta planejando isso.
    A exploraçao das pessoas pelo capital ainda nao existe por que nem existe dimensao nos pequenos negocios para isso e as leis ainda nao permitiriam.

    Voce chama algumas mudanças de temporarias?
    Vai nessa, ja vi isso antes.

    Enfim, o walltext, apesar de muito interessante e bem escrito, é inutil para a argumentaçao em si.

    Ficou bem esclarecido que sou anti-comunista né? O problema do comunismo é que as pessoas que inventaram essas teorias comunistas malucas foram esses "pensadores" que voce citou, seria melhor se eles só pensassem mesmo.
    Última edição por Plinio; 01/02/2012 às 22:13.

  9. #29
    Senior Member Avatar de Victor Barroso de Araujo
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Niterói-Rj
    Posts
    810
    Plinio.

    Eu discordo do que você disse, acho que Cuba pode sim se manter socialista. Existe uma elite política, jovem, e que só busca mais liberdade e não o Capitalismo. É como ja falaram aqui, na Europa se via um continente pulsante e se renovando devido a MUITO dinheiro americano, já em Cuba o que se ve é o Haiti, Porto Rico, Republica Dominicana...

    O IDH Cubano é MUITO maior que o brasileiro e pode ser, com folga, um dos lideres da América Latina. Por que eles iriam abrir mão dessas coisas? Jamais... Eles tem exemplos práticos de países que cairam no esquecimento e precariedade após o fim da URSS... Duvido muito que eles abram mão disso... A qualidade de vida cubana é superior a chinesa, tirando Hong Kong. Eles podem, sim, vir a ser o unico exemplo de sucesso socialista. Talvez nunca cheguem a um Comunismo(levando em consideração o que o VS falou, coisa que eu também escuto com frequência), pois abandonar o poder é algo complicado, sem falar que sempre teria o grande incomodo dos EUA. Mas ainda acredito que eles podem dar muitas lições ao mundo... Se eles são um país fechado e com falta de liberdade? São... Mas eu conheço MUITAS pessoas que abririam mão de algumas liberdades para viver num país mais igualitario e seguro...

  10. #30
    Senior Member Avatar de Plinio
    Data de Ingresso
    Mar 2011
    Posts
    420
    Bom, primeiramente IDH nao é pre-requisito para liderar nada a nao ser um rank de IDH mesmo, para liderar geopoliticamente voce só precisa ser grande e Cuba nao é, ela só poderia liderar o caribe mesmo assim seria superada facilmente pela influencia Americana e Brasileira. O IDH cubano é maior sim, mas nos somos um país continental é muito diferente a comparaçao, comparar com a China entao...
    Cuba tem 11 milhoes de habitantes
    Brasil tem 190 milhoes
    China tem 1.300 milhoes...
    e mesmo se voce comparar com outros paises da regiao, antes mesmo da revoluçao, Cuba ja era MUITO mais desenvolvida que o resto.

    Sobre o que pode acontecer eu nao sei cara, logico que qualquer coisa poderia acontecer mas acho que quanto maior for a abertura economica e politica de cuba, maior será a pressao sobre o partido comunista, olhe para a Russia hoje, o que sobrou de socialista la? O povo russo viveu 70 anos de comunismo e ele desapareceu, o partido comunista russo hoje chega a ser insignificante. Assim que Cuba abrir sua politica, o comunismo vai começar a cair. Muito provavelmente Cuba vai continuar bem estatal, com educaçao, saude, transporte e energia a cargo do governo por muito tempo mas o resto...Talvez eles até adotem um sistema europeu adaptado de bem estar social já que as inspiraçoes de esquerda numa democracia Cubana seriam bem fortes.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •