Resultados 1 a 2 de 2

Tópico: Roubo de Estatais pelos líderes do EB - Atualizado

  1. #1
    Ex-Presidente do Brasil Avatar de Vigoncalves86
    Data de Ingresso
    Mar 2010
    Posts
    8.466

    Exclamation PARTE 1 - Roubo de Estatais do EB!

    Caros brasileiros,

    O conteúdo deste tópico já foi publicado originalmente por mim no CB, mas por ser extremamente importante e por nem todos terem acesso ao CB, está sendo republicado aqui.


    ------------------------------------------------------------------

    Há muito tempo já se questionava o EB a respeito do inventário público em posse de seus gestores. No início de abril de 2016, depois de inquiridos pela Presidência, os líderes do EB se manifestaram, alegando não existir mais nenhuma estatal no EB, ou seja, alegando inexistência de investimento público ainda em uso.

    No tópico de esclarecimento, aberto pelo CP da época, foi dito o seguinte pelo líder do EB: "Já adianto que o inventário das empresas publicas ou estatais não existem, por não existir mais estas empresas".

    O mesmo foi afirmado em MP enviada ao então CP e também em um artigo do próprio EB (o último informe em ORG pública:


    ------------------------------------------------------------------

    Segue abaixo uma série de evidências que servem para desmontar, de forma minuciosa, a versão oficial do EB de que não existem mais estatais em sua posse e comprovar a apropriação indébita e o mau uso do patrimônio público por parte da instituição.

    ------------------------------------------------------------------

    Evidência 1:
    Spoiler:
    Segue o inventário do início de setembro de 2014, que pode ser lido na íntegra AQUI, na aba "produção".

    Parte desse documento está na imagem abaixo:

    print do dia 12/04/2016

    Como pode ser lido na imagem, segundo relatório do próprio EB, havia:

    245 Salts (Q4 de WRM)
    186 Rubbers (Q5 de WRM)
    3 Q7 de Armas
    1 Q5 de Food
    Todas estatais.

    Fazendo uma continha básica:
    2.082.500 BRL investidos em Salts,
    6.510 golds investidos em Rubbers,
    2.029,5 golds investidos em Q7 (considerando a promo de 45%),
    209 gols investidos em Q5 (considerando a promo de 45%).

    Total investido em estatais no EB até aquela data:
    BRL = 2.082.500
    Gold = 8748,5
    TOTAL GERAL (BRL) = 5.791.864 BRL (eu avisei que o montante era maior do que 4 milhões).

    Todas essas empresas, se dissolvidas, renderiam:
    1.041.250 BRL (as salts)
    3255 golds (as rubbers)
    1845 golds (as Q7)
    190 golds (a Q5)

    Total em caso de dissolução:
    BRL = 1.041.250
    Gold = 5.290
    TOTAL GERAL (BRL) = 3.284.210 BRL

    -----------------------------------------------------------------------------

    Isso significa que do início de setembro de 2014, menos de dois anos atrás, até hoje, para não existir mais estatais no EB, o Alto Comando teria que ter ressarcido o governo brasileiro em, no mínimo, 3.284.210 BRL. Caso contrário, independentemente do que foi feito com essas empresas, a dívida permanece.



    Evidência 2:
    Spoiler:
    Na planilha editada por um dos membros do AC, o sr. Bruno Gallotti, denominada como "Planilha definitiva do EB" (da qual eles bloquearam o acesso, depois desta investigação), com data indefinida, podemos obter as seguintes informações:

    Planilha que consta dados até a saída do Zunker:

    print do dia 12/04/2016

    Planilha que consta dados atualizados:

    print do dia 12/04/2016

    Quais são as imprecisões dessas duas planilhas? Por que elas são uma tentativa de maquiar informações?

    1. Na evidência 1 consta que o jogador LightsInTheDark dissolveu suas empresas e devolveu o dinheiro ao EB. Já na evidência 2, alega-se que o usuário "sumiu", ou seja, tenta-se forjar uma suposta perda das empresas que estavam com ele.

    2. Na primeira imagem da evidência 2 consta que Nunogomez tem 120 salts, 20 rubbers e 2 Q7 estatais em sua posse. Na segunda imagem as suas salts constam como "sumiu", as suas rubbers foram retiradas da planilha sem informação e suas Q7 foram dissolvidas e enviadas pra a ORG Comando do Exército. A incoerência é óbvia: ele "sumiu" com as salts e rubbers? Se sim, ele está devendo 120 salts e 20 rubbers ao EB (e consequentemente ao país). Porém, como o EB conseguiu restituir as Q7, mas não as empresas de RAW? Não é o mesmo usuário?

    3. Outros gestores que eles, em algum momento, alegaram terem sumido, nunca saíram da planilha e nunca deixaram de produzir, como Zephon, piresfelix e Major Henry.

    4. Na própria planilha do EB, nomeada como DEFINITIVA e editada por um dos administradores atuais do EB, ainda constam empresas consideradas estatais. Se o próprio Bruno Gallotti afirmou que a dissolução das Q7 do Nunogomez ocorreram em março deste ano (2016) e elas já constam na planilha, é sinal que essa planilha é BASTANTE recente e que a afirmação de que não existe mais estatais é falsa (o que já sabemos). Depois do tópico do ano passado, aberto no CB, o EB tratou de dissolver o que podia, para "não ter mais estatais".



    Evidência 3:
    Spoiler:
    No dia 28 de março de 2016, o ex-gestor e ex-membro do EB, Stark, conversou informalmente com o administrador do EB e membro do AC, Bruno Gallotti. A conversa pode ser lida AQUI, na íntegra.

    Abaixo, destaco os pontos principais e as incoerências do diálogo que, posteriormente, Gallotti alegou ser "impreciso", embora tenha sido confirmado pelo próprio em conversas posteriores. Leiam:

    [14:03, 28/3/2016] +55 55 8153-4832: estranhei pq o Web tá dizendo que não tem mais nenhuma empresa estatal no EB
    [14:03, 28/3/2016] +55 55 8153-4832: sendo que isso só seria possível se tivessem dissolvido tudo e devolvido
    [14:04, 28/3/2016] Bruno Gallotti: O fato é que agora estamos conseguindo bancar toda a infra do EB
    [14:04, 28/3/2016] Bruno Gallotti: Não tem mais estatal
    [14:04, 28/3/2016] +55 55 8153-4832: mas tem investimento governamental ali que nunca foi devolvido
    [14:05, 28/3/2016] Bruno Gallotti: O que tinha de estatal foi dissolvido pelos gestores e gastos com work tax e salários


    Informalmente, ele afirma não existir mais estatais e já destaca o suposto destino do dinheiro adquirido com as dissoluções (work tax e salários), mas essa afirmação vai de encontro com a planilha que ele mesmo editou, onde ainda constam estatais.



    [14:06, 28/3/2016] Bruno Gallotti: Foram dissolvidas 300 salts para pagar wt na época do wipe
    [14:07, 28/3/2016] +55 55 8153-4832: mas e as rubbers?
    [14:07, 28/3/2016] Bruno Gallotti: O resto foi com a AMAN e com wt pós wipe


    1. As planilhas oferecidas nas evidências 1 e 2 são de setembro de 2014 (1) e do momento da saída do Zunker e do momento atual (2).
    2. Em nenhuma delas consta a dissolução de 300 salts na época do wipe.
    3. Considerando que a AMAN é um projeto do EB e, supostamente, o EB era vinculado ao país, cadê as planilhas da AMAN demonstrando os gastos?
    4. Se além do que foi calculado na evidência 1 também houve a dissolução de outras 300 salts não planilhadas, o buraco pode ser muuuuuito mais profundo do que já é.



    [14:11, 28/3/2016] Bruno Gallotti: Tivemos que começar do zero de novo. Fomos juntando grana e pudemos comprar um parque industrial razoável
    [14:12, 28/3/2016] Bruno Gallotti: Mas não foi, porque não tinha ninguém para produzir. Na época, o pessoal estava desmotivado e não trabalhava


    1. Como tiveram que começar tudo do zero de novo se até dias antes dessa conversa o Nunogomez ainda tinha as duas Q7 estatais e as dissolveu depois de muita insistência do Web Carioca?
    2. Se não tinha ninguém para produzir, como conseguiram, supostamente, dissolver 300 salts no período de wipe e os quase 6 milhões em estatais que constam nas evidências 1 e 2 deste post para "pagar wt e salários"? A matemática não fecha: dizem que diminuíram o parque industrial estatal, dizem que não tinha gente para trabalhar, mas mesmo assim torraram MUITOS MILHÕES de BRL em work tax e acumularam um estoque de 200 mil armas?



    [14:12, 28/3/2016] Bruno Gallotti: A infra ficou parada só juntando dívida

    Quem aí tem empresas na conta? Qualquer empresa. Faça um teste: fique um dia sem trabalhar nela e verifique se você vai perder dinheiro assim. Porque é isso que ele afirmou, deixar as empresas paradas "juntou dívida". Quem conseguir se endividar por deixar empresas paradas no eRepublik me avise.



    [14:16, 28/3/2016] +55 55 8153-4832: eram 3 estatais Q7
    [14:16, 28/3/2016] Bruno Gallotti: As duas do Nuno foram dissolvidas e com isso pagamos a AMAN e wt


    Isso mesmo. 1230 golds serviram para pagar a AMAN (que ninguém nunca viu funcionar) e work tax. Mais de 500.000 BRL!!! Se o wt diário do EB gira em torno de 2K, como o próprio Gallotti afirmou na conversa, demoraria no mínimo 250 dias para usar todo o dinheiro com wt, mas como ele mesmo afirmou (e como a planilha na evidência 2 demonstrou) a dissolução aconteceu mês passado. Sinal que a tal AMAN é um verdadeiro ralo de dinheiro ou que esse destino é conversa pra boi dormir ou ambos.



    [14:20, 28/3/2016] Bruno Gallotti: O fato é que o governo quer meter a mão no dinheiro do EB faz tempo. Só que o dinheiro que está lá hoje é integralmente particular

    A planilha definitiva do EB diz o contrário. E mesmo se a planilha alegasse não existir mais nenhuma estatal, isso não tiraria a responsabilidade do EB em restituir o que foi investido pelo governo. A responsabilidade é intransferível, apesar da tentativa pífia de seus líderes em se desvincular dela.



    [14:32, 28/3/2016] Bruno Gallotti: O resultado que o EB poderia dar foi desperdiçado por anos de abandono em prol das outras milícias

    Cara de pau. Mesmo discurso do Web Carioca. O governo financiou o Exército Brasileiro de 2008 até a metade de 2014. O montante hoje é IMENSURÁVEL, mas certamente ultrapassa algumas DEZENAS de milhões de BRL. Nenhuma milícia privada recebeu um centésimo do que recebeu o EB.



    Evidência 4:
    Spoiler:
    O jogador LeoHunter sempre foi organizado e isso sempre foi muito valorizado por todos os que trabalharam com ele. Graças à sua organização, foi possível identificar que ainda existem empresas estatais produzindo em sua conta até hoje, já que LeoHunter deixa tudo detalhado, diariamente. Os prints são do dia 12/04/2016, mas até hoje, dia 05/11/2017, ainda é possível ler que há estatais com o EB.

    Sua planilha pode ser vista na íntegraAQUI, mas caso haja algum tipo de interrupção no acesso (sabe como é, "do nada" a planilha pode ficar restrita depois desta divulgação), vejam as imagens abaixo:

    PLANILHA DE PRODUÇÃO DE JUNHO DE 2014

    Aqui constam a Q7 de armas estatal, a Q5 de food estatal e as 45 rubbers estatais que também constam nas planilhas da Evidência 2. Espero que não tentem dizer, mais uma vez, que a palavra "estatal" está incorreta, já que ela é usada há anos nessa planilha.

    PLANILHA DE PRODUÇÃO DE ABRIL DE 2016

    Aqui, olha só que interessante, continuam constando as empresas consideradas estatais, apesar de o Alto Comando alegar que elas não existem mais.

    PLANILHA DE PRODUÇÃO DO NUNOGOMEZ de JUNHO DE 2014

    Mais uma evidência de que havia 2 Q7 e 120 salts estatais com Nunogomez. As Q7 estatais já sabemos que foram dissolvidas e foram parar no caixa privado do EB. As empresas de RAW devem ter sido dissolvidas ao longo do período e, como divulgado na evidência 2, "sumiram".

    E por que a insistência em enfatizar que as empresas eram estatais? Porque mesmo com todas as planilhas de todos os anos possíveis dizendo que eram estatais, mesmo eu sabendo que eram estatais (pois ajudei na gestão do EB durante muito tempo pré-várzea), mesmo o próprio Gallotti afirmando para o Stark que eram estatais e mesmo ele, Web e todos os outros chamarem essas duas Q7 de estatais, ele teve frieza de tentar alterar a versão dos fatos, dizendo que "se confundiu" e na verdade não eram estatais.


    Me desculpem, mas com todas as evidências apontando para o óbvio (existem estatais e muitas ainda estão em posse deles e não dissolvidas, como alegam), a palavra desse senhor tem pouca valia. Além disso, como pôde ser lido na evidência 3, o próprio Gallotti afirmou que se tratavam de estatais.



    Evidência 5:
    Spoiler:
    Várias informações foram obtidas de dentro do próprio EB, através de um membro que pediu para não ser identificado, mas que ofereceu uma vasta quantidade de prints. Alguns serão publicados e comentados nesta parte do post:

    Em 25 de outubro de 2015, eu abri um tópico no Cantinho Brasileiro, entitulado "Exército Brasileiro - do público ao privado", com o intuito de abrir um debate para a situação do EB e falar sobre o risco que o país corria de ver o eu investimento tornar-se privado da noite pro dia. Isso já foi comentado no início deste post, inclusive. Nenhum membro do EB se manifestou no tópico, mas esse foi o comentário do sr. Bruno Gallotti no mpchat do EB:


    print do dia 06/04/2016

    Não deixa dúvidas quanto à ciência de que havia bens públicos em posse do EB, já que questiona a validade ou não de uma devolução do patrimônio do país.



    Evidência 6:
    Spoiler:
    No início deste mês de abril, coloquei em pauta no congresso a devolução das ORGs estatais em posse do EB, já que o líder da MU alegou não existirem mais estatais e nenhum vínculo com o governo.



    O sr. Gallotti tentou emplacar a mesma teoria de 6 meses atrás, de que ao invés de devolver o parque industrial estatal ao governo, o EB deveria ser ressarcido por ter gerido o patrimônio público! Em suma, o governo brasileiro investiu no EB durante mais de 6 anos, entre 2008 e 2014, aí uma meia-dúzia de gestores dissolveu (ou diz que dissolveu) todo o parque industrial construído com dinheiro público para pagar a produção da MU que virou privada e ainda sugere que tem que ser ressarcido por gerir uma instituição que faleceu em suas mãos? Se trata de uma imensa ingenuidade, de um profundo desconhecimento da história do próprio EB ou apenas puro mau caratismo.



    Evidência 7:
    Spoiler:
    Há muitos anos se discute o uso das ORGs brasileiras para fins econômicos, devido ao limite de transações monetárias individuais impostos há alguns anos. Entretanto, nunca houve uma autorização formal a nenhum órgão público, nem mesmo ao Ministério da Fazenda, para efetuar esse tipo de manobra financeira com ORGs estatais.



    Além de nunca ter recebido autorização governamental para dissolver empresas estatais, o EB também nunca recebeu autorização para investir no mercado monetário com ORGs estatais. Porém, esses são limites dos quais os membros do Alto Comando não parecem respeitar. Como mostra a imagem acima, o sr. Gallotti afirma a pretensão de fazer MAIS caixa com a oscilação do gold e recebendo aprovação do líder do AC para efetuar os day tradings. Deixando claro que essa prática era comum. Má gestão de empresas e má gestão das ORGs.



    Evidência 8:
    Spoiler:
    Considerando que as imagens foram recebidas no início do mês de abril, o print abaixo mostra que a dissolução das empresas do nunogomez ocorreu aproximadamente no dia 8 de março deste ano.



    Para quem não sabe, cada empresa Q7 dissolvida gera 615 golds. Duas empresas, portanto, geram 1230 golds que, convertidos em BRL no dia 8 de março, gerariam aproximadamente 515.000 BRL. O curioso é que a dissolução das duas estatais do Nunogomez, pelo que afirma o gestor do EB responsável, gerou apenas 375.000 BRL.

    Para onde foram os outros 140.000 BRL?
    Será que até mesmo internamente há desvios ou será que se trata da "taxa de administração" a que o gestor tanto alega merecer ressarcimento?

    E se vocês notarem, no primeiro post da imagem o caixa do CdE ficaria com 825K com a adição desse valor, mas no segundo post da imagem, postado logo em seguida, o caixa do CdE já é atualizado em 738K.

    Para onde vão essas diferenças?


    ---------------------------------------------------------------------------------------

    Ainda há outras provas a respeito do caso, mas acredita-se que as 8 evidências publicadas neste tópico já sejam suficientes para que se comprove:


    1. Que ainda há empresas estatais em posse do EB.

    2. Que o líder do EB, WEB CARIOCA, agiu de má fé ao afirmar que não existem mais estatais.

    3. Que outro membro do Alto Comando, Bruno Gallotti, também agiu de má fé ao afirmar que não existem mais estatais.

    4. Que o autor da planilha da evidência 2 agiu de má fé ao tentar ocultar o destino exato das estatais em posse dos gestores.

    5. Que houve apropriação indébita do patrimônio público por parte do grupo militar Exército Brasileiro.

    6. Que houve dissolução ILEGAL de empresas estatais (sem anuência do governo) para financiamento de produção privada.

    7. Que houve uso ILEGAL de ORG pública para operação financeira no mercado monetário.



    Diante dos fatos e provas apresentados, sugiro que cada cidadão do eBrasil faça sua análise e avalie se houve ou não comportamento indevido por parte dos líderes do Exército Brasileiro. E peço que todos os jogadores expostos na acusação se manifestem e ofereçam suas defesas, caso existam, ou que confessem as ilegalidades apontadas, promovendo o devido ressarcimento do patrimônio público ou o devido esclarecimento sobre o ocorrido.


    OBS: todas as planilhas citadas possuíam acesso irrestrito para leitura, entretanto, depois desta investigação, em abril de 2016, algumas delas foram alteradas e/ou tiveram seu acesso bloqueado. Para evitar mais alterações e/ou bloqueios de acesso, todos os seus dados foram printados.
    Última edição por Vigoncalves86; 05/11/2017 às 11:16. Razão: atualização de info

  2. #2
    Senior Member Avatar de Gunner.
    Data de Ingresso
    Feb 2013
    Localização
    Niterói - RJ
    Posts
    3.630
    O certo a se fazer diante destes fatos é abrir uma CPI e punir todos aqueles que agiram de má fé com o país.

    O corte de verba do EB foi no meu governo com um show particular do bandido Web Carioca...

    Que todos sejam punidos e que devolvam o montante aos cofres públicos já!!!!

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •