Após vincular no jornal A Mafalda e levar à discussão pública temas importantes de nossa política interna, como o babyboom, e de considerar as sugestões recebidas, os adendos e também as críticas construtivas, foi possível elaborar um projeto de baixo custo (ou custo zero) e com prazos de execução, o que facilita a sua avaliação. Um projeto realmente exeqüível e pé-no-chão.


[size=4]PACp[/size]

PROPOSTA: Levar aos colegas congressistas o PACp - Programa de Aceleração do Crescimento da População.
Uma vez aprovado, o programa atuará em três frentes:

1) Esfera Civil - Enaltecerá o esforço individual na expansão da sociedade ebrasileira. Valorizando a realização (hoje secundária) do "Formador da Sociedade" (Troféu Society Builder), ou seja, exaltará a ação voluntária de cada brasileiro tentar trazer (pelo menos) dez cidadãos ativos para o eRepúblik;

2) Esfera Política - Estabelecer o Axioma da Responsabilidade. Definir que o exemplo de recrutamento deve partir das figuras públicas formadoras de opinião. Para tal, estabelecer um axioma (acordo informal) junto aos cinco principais partidos de indicar ao congresso (em um prazo relativamente longo, de 4 meses) apenas candidatos que já se tornaram "Formadores da Sociedade";

3) Esfera Militar - Incentivar os quadros militares mais graduados (alistados ou não), através da doação de armas, a exercerem a função de “Formador da Sociedade”. Para cada dezena de cidadãos ativos angariados, o Sargento e Tenente receberão arma Q1; Capitão e Coronel receberão arma Q3 e, finalmente, General e Marechal receberão arma Q5. A distribuição poderá ser competência ou não do Ministério da Defesa. A fórmula de distribuição será através de comentário simples em artigo do órgão responsável.

CONSIDERAÇÕES:
Os eEUA possuem um programa bastante similar ao PACp, mas tem uma diferença fundamental: lá, a função tutelar é obrigação do cidadão. É cansativo, requer muito tempo e paciência. O PACp brasileiro propõe, através do Axioma da Responsabilidade e de incentivos materiais, que o cidadão divulgue o jogo como puder. Deixando a parte de tutela com o Estado.
É incoerente afirmar que o incentivo para os militares tornarem-se “Formadores da Sociedade" através da distribuição de armas é inviável financeiramente para o Estado. Não existe evolução em larga escala e de status sem a contrapartida do aumento de impostos. Nossa infra-estrutura atual não dará conta da onda migratória gerada pelo PACp. Far-se-á necessário aumentar o IR de 1% para 2%. Quem trabalha por salário de 2,00 BRL e recebe 1,98 BRL líquidos (0,02 BRL de imposto), passará a receber 1,96 BRL. Praticamente nada muda para o cidadão, mas o Estado pode dar um salto de qualidade considerável.

PRAZO:
O prazo de adequação partidária voluntária, proposto pelo Axioma da Responsabilidade, de quatro meses é muito mais do que o necessário para o cidadão que deseja participar dos processos eletivos conseguir angariar dez cidadãos ativos. São diversos casos conhecidos os que o fizeram com menos de um mês de jogo. Além do esforço pelo objetivo, nossos congressistas o farão a favor do mérito. Cidadão ativo indicado é praticamente um voto contado.

[hr]

[size=4]Por que votar nesse candidato e projeto?[/size]

Mudanças são sempre difíceis. Então porquê alterar as coisas como estão (os tais paradigmas)?
Resposta: a falta de resultados.

Não vou mudar o eBrasil fazendo mágica, nem em um único mandato. A minha meta é enaltecer o esforço individual do "Formador da Sociedade" para conseguirmos, em um prazo de quatro meses, sentir os efeitos de um “babyboom” contínuo e persistente.

Para tornar estes projetos em realidade, peço seu voto para levar o PACp ao Congresso eBrasileiro, pelo [color=green]Rio Grande do Sul[/color].

[color=green]Dennys ASIMOV (PIL/PND)
"Não é mágica. É esforço."
[/color]